Mostra de economia criativa promove diversidade cultural de Bragança

A 1ª Mostra Criativa Bragantina reúne 61 peças de artesanato, acessórios e adornos criados por artesãos de Bragança, no nordeste do Estado. Foto: Igama/Divulgação
Promover o diálogo entre o artesanato e outros segmentos da economia criativa, como a cultura popular e a moda, revelando a diversidade cultural do território e o talento de empreendedores criativos de Bragança. Essa é a proposta da 1ª Mostra Criativa Bragantina, que reúne 61 peças de artesanato, acessórios e adornos criados por artesãos de Bragança, no nordeste do Estado.
 
Resultado de parceria entre entidades públicas e privadas, a exposição foi aberta no dia 18 deste mês e segue até sexta-feira (26), com entrada franca, no hall do primeiro andar do prédio do Banco do Brasil, onde está situada a Prefeitura de Bragança. O projeto expográfico da mostra a organizou em dois setores. No primeiro podem ser vistos 22 produtos de artesanato e manualidades, inspirados na cultura bragantina.
 
O acervo reúne farinha de Bragança, cachaça artesanal, cerâmica utilitária e de decoração, panelas de barro, trabalhos de machetaria (que consiste em criar mosaicos com lascas de madeira para decorar os objetos fabricados), “namoradeiras” marujas – tradicional artesanato em gesso criado com a figura da “capitoa”, da Marujada, festividade em honra a São Benedito, padroeiro do município.
 
No segundo setor os visitantes poderão vislumbrar 39 acessórios e adornos inspirados na Marujada e produzidos pelos empreendedores criativos do grupo “Mãos Habilidosas” e mestres artesãos de outros setores. São colares, bolsas, ecobags, carteiras e ímãs de geladeira, criados e produzidos com matéria-prima local. As 61 peças escolhidas para a exposição são resultado da curadoria feita em 84 peças geradas nos cursos ministrados no município pela curadora Rosa Helena Neves e pelas designers Celeste Heitmann e Bárbara Müller.
 
Inspirado na presença de guarás e garças da região, o colar criado pelo artesão Reginaldo Siqueira, com consultoria de Bárbara Müller, é uma das peças da mostra. Produzido com materiais descartados do setor pesqueiro, atividade característica do território bragantino, a peça é um exemplo de união entre criatividade e sustentabilidade, reproduzindo a cultura local. O artesanato que inspirou o acessório recria o habitat dos pássaros usando cascas de mexilhão, buchas naturais e pedaços de galho colhidos nas praias, além de patas de caranguejo, que formam os bicos das miniaturas.
 
Buchas tingidas com vegetação de mangue típica da região também são usadas pela artesã Liliane Quadros, que integra o “Mãos Habilidosas”. Ela criou o colar Trama em Rede, inspirado na rede dos pescadores locais. Com tramas de crochê e escamas de peixe pirapema tingidas com material natural, o colar chama a atenção pelo design e criatividade.
 
A mostra reúne colares, bolsas, ecobags, carteiras e ímãs de geladeira, produzidos com matéria-prima local a partir de cursos ministrados na cidade. Foto: Igama/Divulgação
Para nós, artesãos, é de extrema necessidade agregar mais qualidade ao nosso produto. Os cursos trouxeram profissionais de renome internacional, como a professora Celeste Heitmann. Foi um grande aprendizado para que possamos aplicar em nossas criações”, enfatizou Liliane.
 
Capacitação – “Estamos fomentando o potencial da comunidade criativa que já existe em Bragança, onde estão criadores extremamente talentosos. Os produtos criados para a mostra estão dentro do conceito de sustentabilidade e inovação. São baseados nessa diversidade cultural do território”, explica a consultora Rosa Helena Neves.
 
Segundo ela, à luz dos elementos estéticos e simbólicos da Festa da Marujada, os acessórios de moda e manualidades da mostra valorizam os saberes dos artesãos do município, como o trabalho de crochê e de pintura artesanal, em destaque na bolsa pintada à mão pela artesã Jaciane Souza. Para isso, foi feito um levantamento prévio do artesanato desenvolvido na região. “Durante os cursos que geraram esta mostra, promovemos o diálogo entre os saberes tradicionais locais e as relações do artesanato e das manualidades, agregando valor à geração de produtos inovadores, apontando a importância do design neste diálogo”, frisou Rosa Neves. 
 
Os produtos da mostra foram gerados por percursos distintos, mas sempre visando a qualidade. Foram feitas capacitações e consultorias, ao longo do ano, no município bragantino, resultado de parceria entre a Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), Instituto de Artes do Pará (IAP)/ Incubadora Pará Criativo e Casa do Empreendedor de Bragança, que também promovem a mostra.
 
O objetivo das ações, além de fomentar negócios, é mostrar o que se tem produzido e valorizar a mão de obra dos artistas, que se tornarão futuros grandes empreendedores. O governo do Estado tem, hoje, essa política socioeducativa e econômica no propósito de qualificar e aperfeiçoar os artesãos e também agregar valor aos produtos, visando uma maior comercialização no Brasil e em outros países”, asseverou a secretária adjunta da Seicom, Ciane Barros.
 
Além das ações acima referidas, a Seicom também coordena o Núcleo Estadual de Arranjos Produtivos Locais (NEAPL), com representatividade no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que tem o propósito de reforçar o apoio ao micro negócio e tem produzido resultados como o Plano de Desenvolvimento do APL de Moda e Design voltado para a Região Metropolitana de Belém (RMB).
 
O evento também faz parte da programação do primeiro aniversário da Casa do Empreendedor de Bragança, que integra micro e pequenos empreendedores. Foto: Igama/Divulgação
Para o secretário municipal de administração de Bragança, José Rufino, as atividades desenvolvidas têm proporcionado a melhoria na qualidade dos produtos e o fomento à mão de obra local, essenciais para estimular a produção e apresentar o novo ambiente de negócios que podem ser prospectados na região. “A orientação ao pequeno e microempreendedor, como é o caso dos artesãos da região bragantina, é realizada de perto pela Casa do Empreendedor, que recebe apoio do Governo do Pará, por intermédio da Seicom”, explicou o secretário.
 
A 1ª Mostra Criativa Bragantina tem o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), banco do Brasil, Cred Cidadão, Coordenadoria da Mulher da Prefeitura de Bragança e Clube dos Diretores Lojistas de Bragança. O evento também faz parte da programação do primeiro aniversário da Casa do Empreendedor de Bragança, gerenciada pela Secretaria de Planejamento de Bragança com a proposta de integrar micro e pequenos empreendedores bragantinos em um mesmo espaço de apresentação da cultura bragantina.
 
Leia também na Agência Pará de Notícias.
 
Ascom/Igama, com informações da Ascom/Seicom


PESQUISAR

Exposição

NEWSLETTER

Parceiros

Espaço São José Liberto - Praça Amazonas, s/n, Jurunas, Belém-Pará-Brasil. Fone: (91) 3344-3500 e (91) 3344-3514.
Horário de visitação: terça a sábado, de 09 às 18:30h; domingos e feriados, de 10h às 18h.