O desenvolvimento da Economia Criativa em discussão

Santarém é o primeiro município a receber o Ciclo Criativo, evento que reúne palestras, mostras e atrações culturais com o objetivo de fomentar o Empreendedorismo Criativo no estado
 
Clique na imagem para ampliá-la.
Imagem: Pará Criativo/Divulgação
A partir do próximo dia 6 de novembro, Santarém, Cachoeira do Arari, Marabá e Bragança realizam evento que debate o desenvolvimento da Economia Criativa no Pará. A ação tem culminância em dezembro, quando Belém recebe um grande encontro com todos os envolvidos. Gratuito, o evento é realizado pela Incubadora Pará Criativo, Instituto de Artes do Pará (IAP), Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), Regional Norte do Ministério da Cultura (RRN/MinC) e conta com o apoio do Sebrae e da Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal do Pará (FAV/UFPA).
 
O evento tem o objetivo de promover palestras, mostras e ações formativas nas diferentes mesorregiões do Pará, com a participação de gestores públicos e privados, instituições de ensino e universidades e integrantes da sociedade civil, que juntos irão dialogar e entender o empreendedorismo criativo.
 
A intenção é nortear o desenvolvimento a economia criativa paraense. O público-alvo é formado por empreendedores de todos os segmentos da economia criativa, como artistas, produtores culturais, gestores públicos e privados, acadêmicos, integrantes da sociedade civil e estudantes.
 
Nos municípios, cada ciclo contará com 10 horas de atividades, dentre palestras, mesas e atrações culturais, além de relatorias para registrar as demandas e especificidades do local. Ao final, as instituições irão reunir o material e desenvolver um documento com diretrizes para o desenvolvimento da economia criativa do Pará.
 
Calendário - Santarém é a primeira cidade a receber o Ciclo Criativo, nos próximos dias 6 e 7 de novembro, seguida por Cachoeira do Arari (14), Marabá (22), Bragança (27) e Belém, nos dias 4 e 5 de dezembro. Para participar, os interessados podem realizar inscrição no seguinte link: http://migre.me/mn88r ou localmente nos endereços especificados. Todas as atividades são gratuitas.
 
Sobre economia criativa – O conceito de Economia Criativa surgiu na Austrália, nos anos 1990, mas foi em 2001, na Inglaterra, que o assunto foi popularizado. Em seu livro The CreativeEconomy: How People Make Money FromIdeas (Edição Brasileira: Economia Criativa - Como Ganhar Dinheiro Com Ideias Criativas (M. Books, 2012), o inglês John Howkins cunhou o termo pela primeira vez e definiu alguns pilares da nova economia. No Brasil, o setor começou a ser oficialmente introduzido com a Secretaria da Economia Criativ (SEC), criada em 2011 no Ministério da Cultura (MinC).
 
De maneira prática, a economia criativa compreende a gestão da criatividade para gerar riquezas culturais, sociais e econômicas. Abrange os ciclos de criação, produção, distribuição/difusão e consumo/fruição de bens e serviços que usam a criatividade, a inovação, a cultura e o capital intelectual como insumos primários. Por segmentos criativos entende-se patrimônio material, patrimônio imaterial, arquivos, museus, artesanato, cultura popular, cultura indígena, cultura afro-brasileira, cultura alimentar, arte visual, arte digital, teatro, dança, música, circo, cinema e vídeo, publicações, mídias impressas e virtuais, moda, design e arquitetura.
 
Constituída predominantemente por pequenas e médias empresas, o tamanho da economia criativa, no Brasil ainda é difícil de ser mensurado. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que os setores criativos movimentaram, em 2010, R$ 104,37 bilhões, o que corresponde a 2,84% do Produto Interno Bruto (PIB). O setor vem crescendo a uma taxa média 6,3% nos últimos cinco anos, mais do que a média de crescimento do próprio PIB, de 4,3%.
 
Imagem: Pará Criativo/Divulgação
 
Sobre os realizadores:
 
Incubadora Pará Criativo - Integrante da Rede Brasil Criativo #Incubadoras, da Secretaria da Economia Criativa, do Ministério da Cultura, o Pará Criativo foi inaugurado em Belém em parceria com o Governo do Estado, por meio do Instituto de Artes do Pará, em janeiro de 2014. Seu principal objetivo é fomentar a economia criativa paraense e tal incentivo ocorre por meio da oferta de cursos, oficinas e assessorias técnicas direcionadas a artistas, profissionais autônomos, coletivos, micro e pequenos empreendedores atuantes nos setores criativos.
 
Instituto de Artes do Pará –Criado há 13 anos, o Instituto de Artes do Pará veio para preencher algumas lacunas no fortalecimento da classe artística no Estado, incentivando principalmente a experimentação artística a partir das bolsas de pesquisa. A missão principal do Instituto é ser um instrumento que facilite e propicie ao artista o seu crescimento profissional. Entre as principais ações do IAP estão as bolsas de criação, experimentação, pesquisa e divulgação artística, prêmio IAP de artes literárias, ações do Núcleo de Produção Digital - NPD, Mostra Pará e Mostra Parazinho, e oficinas de aperfeiçoamento voltadas ao artista e produtor cultural. Atualmente o IAP também coordena o projeto "Pro Paz Nos Bairros", braço artístico do programa Pro Paz, que funciona nos polos: Ufpa, Ufra, Marituba, Sacramenta e Mangueirão.
 
Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom)–A secretaria tem como objetivo promover a geração de emprego, renda e a redução das desigualdades sociais no estado do Pará, além de formular e executar políticas públicas para o setor produtivo.A secretaria possui uma coordenação de Economia Criativa, vinculada à Diretoria de Desenvolvimento de Comércio e Serviços. É também coordenadora do Arranjo Produtivo Local (APL) de Moda e Design da Região Metropolitana, em conjunto com o Espaço São José Liberto/Polo Joalheiro do Pará.
 
Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama) - O Igama é uma Organização Social (OS) qualificada pelo Governo do Pará, desde maio de 2007, para gerenciar o Espaço São José Liberto e o Programa Polo Joalheiro do Pará, experiências de economia criativa. Desenvolve ações de capacitação profissional, gestão e mercado, destinadas a empreendedores criativos dos setores de joias, gemas, design, moda, artesanato e manualidades. Mantém vínculo, por meio de um contrato de gestão, com a Seicom. Também é responsável pelas ações do Programa de Desenvolvimento do Setor de Joias e Metais Preciosos (Polo Joalheiro), mantido pelo governo estadual, que promove cursos e outros eventos de qualificação para designers, ourives, lapidários, artesãos e produtores de embalagens artesanais, além de capacitar em áreas como comercialização e conquista de novos mercados para a joia e o artesanato paraense.
 
Serviço:
 
"Ciclo Criativo – Diálogos, reflexões e desenvolvimento para a economia criativa no Pará"
 
6 e 7/11 – Santarém
14/11 – Cachoeira do Arari
22/11 – Marabá
27/11 - Bragança
4 e 5/12 – Belém
 
As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no link http://migre.me/mn88r ou nos endereços abaixo especificados.
 
Santarém:
Ufopa - Agência de Inovação Tecnológica (AIT): Campus Amazônia, sala 222 - Avenida Mendonça furtado, 2946 – Fátima
Associação Comercial de Santarém - Praça da Bandeira, 565 – Centro.
(93) 3523-5633
 
Cachoeira do Arari:
Secretaria de Cultura - Avenida José Rodrigues Viana, 785 - Centro
Museu do Marajó - Avenida do Museu, 1983 – Centro
(91) 8424-4224
 
Marabá:
GAM – Travessa Carlos Leitão, 381 –

Na página fb.com/ciclocriativopa ou no site www.paracriativo.pa.gov.br
 
Fonte: Ascom Pará Criativo
 
Ascom/Igama


PESQUISAR

Exposição

NEWSLETTER

Parceiros

Espaço São José Liberto - Praça Amazonas, s/n, Jurunas, Belém-Pará-Brasil. Fone: (91) 3344-3500 e (91) 3344-3514.
Horário de visitação: terça a sábado, de 09 às 18:30h; domingos e feriados, de 10h às 18h.